sábado, 25 de julho de 2015

SEGREDOS DE UMA DAMA II - FRANCIS PEROT


Segredos de uma dama II



“Cair, aprender, levantar e seguir em frente deve ser o lema principal da vida”. Que expressivo pensar de um poeta, embora André não fosse um, porém gostava de ler poemas de qualquer natureza. E poesia sempre ajuda tanto o corpo como também a mente. Ele estava no caminho certo, pois decididamente estava lutando para conquistar o coração de seu amor proibido.
Após oito meses de relacionamento André completou seus dezoito anos. Finalmente agora se sentia mais a vontade, no entanto não para Sofia sua professora, porque considerava a situação um tanto embaraçosa, casada com um representante do povo e amante virtual de um aluno.
O ano letivo havia terminado, inicio de férias de fim de ano uma correria danada e André nessa época trabalhava dobrado. Ele vendia nas ruas mudas de pinheiros que plantava, uma alternativa para melhorar a renda no final de ano. Muitos produtores rurais trabalham diversas formas de tornar suas terras produtivas. André com um caminhão pequeno, lotado de pinheiros de vários tamanhos, sobe e desce rua e de vez ou outra uma venda, até que chegou na rua da casa do prefeito da cidade.
Doutor Mendes estava saindo com o seu carro quando o avistou e disse:
_Me veja a maior muda e se possível, plante ela pra mim aqui em meu quintal.
_Sim senhor.
        O prefeito saiu em seguida, sem perguntar o preço, mas André estava tão ansioso de conhecer mais sobre Sofia que o pinheiro e o seu trabalho de plantá-lo faria até de graça. Assim ele tocou a campainha e uma das empregadas atendeu.
_Eu vim plantar um pé de pinheiro.
_Entre e me acompanhe que vou mostrar o lugar.
        André plantou o pé de pinheiro quando já estava se arrumando para sair, Sofia apareceu e o cumprimentou.
_Oi André tudo bem?
_Sim eu estou bem.
_Meu marido me ligou e pediu para que te pagasse, mas antes venha aqui na cozinha tomar um suco que mandei preparar pra você.
_Ah! Sim o calor ta demais hoje.
        O corpo de André estava suado e um suco gelado cairia muito bem. Sua cabeça esta girando e o moço estava completamente sem palavras. Não sabia como lidar com aquela situação sem provocar qualquer tipo de embaraço. Sofia por sua vez também viajava em pensamentos, ali estava o seu amante virtual, o responsável por tantas gozadas deliciosas em suas noites de solidão.
        A empregada saiu para outro lugar da casa e os dois ficaram na cozinha e André de repente rompe o silêncio:
_Sofia você tem filhos?
_Não tenho, mas tenho vontade ainda de os ter.
_E você esta casada a quanto tempo?
_Desde os meus dezesseis anos. Não tive escolha.
_Todos tem escolhas, não é verdade?
_Eu sou órfã de pai e mãe desde criança.
_Oh, mil perdões por fazê-la lembrar desta situação.
_Não tem problema já superei. Dizem que os meus pais trabalhavam na fazenda dos pais do meu marido. Eles morreram num acidente quando eu tinha quatro anos e daí eles me criaram. O meu marido é vinte anos mais velho.
_Nossa que história difícil para uma criança.
_É, mas superei só me faltou uma coisa André.
_O que?
_Um grande amor. Ser rico não é tudo, apenas um detalhe e o que mais me deixa triste é a forma de como se tornar cada vez mais rico.
        André entendeu perfeitamente o que ela queria dizer. O prefeito tinha má fama desde moço ele sempre se envolvia em escândalo e agora como político a coisa não era diferente. Naquele instante a empregada interrompe:
_Estou indo para casa, até amanhã.
_Tchau Ângela.
Neste momento a atenção de Sofia se volta completamente para André. Ela nem sonhava de que o rapaz estava ciente de que ela era a musa da internet. A misteriosa mulher que o encantava nas madrugadas. Ele por vez não encontrava meio para abrir o jogo, o melhor mesmo era não falar nada. Agindo assim ele se sentia mais seguro.
Aquela tarde fazia muito calor, o corpo de André suava ainda mais diante dos seus pensamentos.
_Dizem que nos tornamos aquilo que pensamos... Você está pensando no que André?
_Penso no amor: Então sou o amor?
_Acho que sim.
Ela olhava o rapaz com a mesma excitação que sentia virtualmente, a mesma sensação, mas com medo de se declarar. Seu corpo trêmulo parecia presenciar o novo que se descortinava repentinamente como que esperando o momento de se entregar em abraços e beijos. O silêncio era total entre eles. Somente suas mentes viajavam em algum sonho lascivo.
        Os amantes estavam excitados a espera de uma oportunidade do momento. Eles só não sabiam como dar os primeiros passos. O medo se misturava com o fascínio das fantasias virtuais que viveram em muitas noites. A magia do proibido alimentava o desejo da consumação daquele prazer inimaginável na fusão do impossível ato de amor do qual eles viviam sonhando em acontecer. Tirar um relacionamento do virtual e trazê-lo para o mundo real é uma tarefa difícil. Exige muito cuidado de ambos, André rompe o silêncio com uma pergunta:
_Você está quieta e por um instante pareceu não estar presente.
_É eu viajei. Desculpe-me.
_Desculpar do que?
_André você ama alguém?
_Sim! Tenho um amor complicado.
_Complicado por quê?
_Porque não a conheço pessoalmente e ela é casada.
_Nossa! Que história a sua.
        André não queria dar a entender que conhecia quem era o seu amor virtual. Simplesmente deixou rolar. O amor é realmente um universo desconhecido, mas sentido pelo coração o qual nos diz se é amizade ou amor. Expressivo pensar de um poeta. Realmente a alma cava, cava e sempre termina por encontrar um objeto que faz tremer toda a terra. Dos pés a cabeça André era todo Sofia. Desejava e também a amava, mesmo sabendo que aquele amor era proibido.
        Um desejo avassalador, incontornável tomava conta de Sofia. Ela queria viver aquele momento com André, mas esperava uma atitude do rapaz que lutava contra a sua timidez que o envolvia. Os demais empregados da casa também saíram ficando apenas os dois apaixonados. Agora seria o momento ideal. Sofia estava ansiosa para ficar com André ele também.
Viver e reviver as loucuras que praticavam a noite na internet ao vivo. Os olhares indicavam os que eles queriam, já não tinha mais necessidade de palavras. O moço a tomou em seus braços e com loucura a beijou por alguns minutos.
_Quero você André agora.
_Eu também te quero.
        A língua do rapaz proporcionou sensações deliciosas principalmente quando tocou os bicos dos seios de Sofia. Seu corpo estremeceu e se entregou por completo e não demorou a chegar ao clímax ali mesmo na cozinha. Ambos os corpos se ofegaram naquele mar de excitação, eles não conseguiam parar, neste momento Sofia arrasta André para o seu quarto, então o silêncio da casa é rompido ao enlace dos corpos, gemidos e gritos de prazer que ela soltava parecendo uma fera no cio. Logo os seus corpos se aquietam cansados, suados e completos diante da consumação.
_Ah! André, como me sinto feliz.
_Eu também minha deusa do prazer.
        Muitos casamentos são realizados apenas por interesses políticos, outros difíceis de ser explicados e a maioria deles terminam assim. Sofia continuou casada com o prefeito da cidade e com os encontros semanais que agora passaram a ter com André sem abrir mão do mundo virtual com o rapaz. Pra ela seria inesquecível como tudo começou. Segredos, era o que mais ela colecionava em sua vida e André fazia parte de um deles...


Francis Perot