sábado, 11 de julho de 2015

SEGREDOS DE UMA DAMA - FRANCIS PEROT


Segredos de uma dama


Tudo começou pelo o abstrato. Desde que as funções virtuais puras são chamadas de classes abstratas, então virtualmente Sônia e André se encontraram pelas redes sociais e por uma câmera, um dia ela deixou os olhos do moço contemplar a bela e enlouquecedora imagem do mais lindo paraíso, único e singular. Foi nesse momento que um universo de sentimentos alojaram-se dentro do coração de André, tal qual uma usina geradora de energia, os quais faziam seus pensamentos girarem como turbinas transformadoras ao contemplar aquele corpo quase nu na webcam. Só não era completamente nu porque ela tinha no rosto uma máscara. Até então o rapaz ainda nem sabia se realmente Sônia era o seu verdadeiro nome. Era alguém até então que parecia tão somente apreciar sexo virtual. Seu perfil era um fake com imagens em desenhos de uma deusa sensual.
O pensamento de André desconhecia completamente aquela anatomia do corpo humano. Seus amigos o chamavam de virgem porque ele nunca havia pegado ninguém até aos seus dezessete anos. O que ele enxergava era simplesmente o que muitos olhos por milhares de anos estão cansados de enxergar, apenas o obvio; Mas durante as exibições na webcam, ao deixar a sua visão contemplar o além, o que ele vê, não é mais apenas o obvio e sim um planeta inteiro a espera de ser explorado. Assim sendo o seu coração bate em direção de um profundo amor, pois o coração de André começou a despertar um sentimento mergulhado em todas as dimensões básicas. E Sônia sabia muito bem como o envolver...
Sônia tinha aproximadamente quarenta e cinco anos, mas aparentava pelo corpo ser uma jovem bonita, atraente e com a fama de enlouquecer os homens virtualmente ou não, por causa de suas vestes extravagantes. Ainda tinha um fato interessante e perigoso do qual ninguém sabia nem mesmo André... Mesmo sendo linda por fora Sônia estava longe da beleza essencial do caráter e o que ela despertou em André que o fazia sonhar        não passava de uma sensação utópica enganosa. A verdade é que quando se está na chuva, cair, aprender, levantar e seguir em frente deve ser o lema de todos que se arriscam a se molhar. Assim dizia André mesmo com sua pouca experiência de vida.
_Estou aqui é pra viver.
_André! Não é arriscado se apaixonar por alguém desconhecido?
_Sim Ivo. Mas ninguém manda no coração.
        Ivo era o maior amigo de André desde o primeiro ano do primário. Ele confidenciava tudo ao seu amigo. Os dois moravam numa fazenda próxima a cidade. Quinze quilômetros de distância. Um veículo escolar passava pela estrada todas as manhãs e levavam-os para a escola onde fizeram o primário, o ginásio e agora estavam terminando o colegial. André tinha um grande sonho de se tornar um engenheiro em informática. Seus colegas de classe o tinham como misterioso por ser um rapaz quieto, principalmente em questão de namoro. Não era muito de falar e nem deixava revelar os seus sentimentos e por ninguém saber exatamente o porquê deste verdadeiro motivo, pairava no ar um mistério o qual atraia a atenção de todos, inclusive os de suas professoras.
        Entre todas as suas professoras tinha uma que se destacava em beleza e educação. Sofia, era uma mulher demasiadamente séria e exigente. Tinha um olhar encantador e dificilmente sorria para algum aluno ou fazia brincadeiras. Esposa do maior político da cidade o doutor Mendes, o prefeito. No dia a dia fora da escola ela se vestia de forma que pirava qualquer olhar. Sensualidade era realmente o seu nome. Poucas vezes André a encontrou fora da classe de aula. Ele ficava a maior parte do seu tempo no campo e nunca soube que alguém sem ser o seu marido, tivera alguma chance com Sofia.
        Sofia não se encontrava nos pensamentos de André apesar dele dar algumas rápidas olhadas, era somente Sônia que fazia o moço pensar dia e noite. O rapaz não via à hora de se recolher em seu quarto e ligar o seu computador e encontrar aquela misteriosa mulher que arrebatava sua mente. Já fazia seis meses que estavam namorando virtualmente e o desejo de André encontra-la era grande demais, mas para isso o rapaz precisava convencê-la.
_Oi minha gata estou aqui com saudade e louco de desejos.
_Ai que bom, estou carente e o meu desejo é que você coloque algo na minha boca...
_Gosto deste seu jeito. Disse André.
_Que jeito?
_Safada!
_É... Você gosta mais de palavras sensuais, eróticas ou safadas?
_Com você de todas.
_Hummmm...
_Amor você é sempre misteriosa hoje eu quero muito mais.
_Mais o que amor?
_Quero ver o seu rosto.
_Jamais e se insistir eu vou sair.
_Não meu amor, quero-te.
_Então se comporte e se conforme com o combinado.
        André sempre aceitava as condições imposta para não perder aquela misteriosa e bela mulher. O namoro entre eles virtualmente estava engrenado, mas cercado de condições. Na maior rede social os dois estavam namorando publicamente e o perfil de Sônia era lotado de pessoas a maior parte delas, masculinas. Algumas pessoas até os elogiavam pelo amor, outros estavam ali apenas por estar, ou por interesse de Sônia, mas André sabia lidar muito bem com isso.
        Sônia tinha uma tatuagem de uma flor que representa a beleza e o fruto, a sensualidade feminina. Uma flor de origem asiática a “Flor de Cerejeira” conhecida como “Sakura” no Japão que simboliza o amor, a felicidade, a renovação e a esperança. A tatuagem começava na virilha e contornava o lado esquerdo até a altura do seio. Uma verdadeira arte que a deixava ainda mais linda e sensual, uma alusão à fugacidade da vida. Enquanto o seu fruto é considerado o maior símbolo de sensualidade, erotismo e sexualidade, pela sua cor vermelha intensa. André já tinha gravado em sua cabeça cada contorno daquela tatuagem.
        Numa determinada noite como de costume e rotina lá estavam André e Sônia numa daquelas apimentadas conversas. Ela exibia cada detalhes da tatuagem e o moço como bom observador guardava em sua memória todos os detalhes:
_Adoro meu amor, o seu belo corpo.
_Eu também meu lindo e tem dia que sonho beijando a sua boca e seu corpo todinho.
_Esse é meu maior desejo e sonho minha deusa.
_Fico toda exitada e molhadinha. O seu olhar encantador desperta o meu desejo.
_Nossa, já estou exitado também. Liga a webcam agora.
_Liga a sua também meu lindo.
_Pronto aceita ai!
_Sim amor aceitei.
_Nossa que bela imagem, te amo.
_Também te amo gatinho.
_Amo nossas conversas quentes e sensuais.
_Já estou a fim de gozar.
_Goze meu amor agora...
        Quem não conhece o fim de cada conversa virtual e principalmente quem usa webcam. Nem precisa continuar descrevendo porque cada um já sabe que sempre termina em grandes e gostosas gozadas. André e Sônia eram campeões de masturbações e apimentadas conversas. A única inconveniência era que o rapaz ainda não havia conseguido dar nenhum passo pra frente. Não tinha o telefone da gata e ainda não tinha visto o seu rosto. Aquilo para ele era uma tortura.
        Certo dia André estava disposto a por um fim em toda aquela situação. Se ela não se revelar vou terminar. Chega de sofrer, pensou o rapaz... Levantou bem cedinho como de costume e foi trabalhar sem tomar o café da manhã. Ele estava mesmo decidido a não sofrer mais por um amor incerto. Na hora do almoço comeu pouco e tomou em seguida água e já foi pra lida. Era colheita de morangos, e que delicias de frutos. Quando chegou à tardinha ele selecionou alguns e embalou e levou-os para escola e deu a todos os seus professores como sempre fazia em todas as colheitas no sitio do seu pai. Era costumes dos alunos oferecerem o que colhiam nas terras a algumas pessoas da cidade. Aquela noite a sua atenção não estava aprofundada na aula. Sônia não saia de sua cabeça.
        Em sua casa depois da aula, assim que chegou da escola e ligou o seu computador já foi logo procurando aquela misteriosa mulher. Ela sabia tudo de André, mas ele não sabia nada dela, nem mesmo a sua profissão, o que fazia na vida, se era solteira ou casada, onde morava e por essas razões o rapaz estava mesmo disposto a por um fim naquele namoro.
_Sônia precisamos conversar.
_E o que tem para me dizer meu amor, está com tesão?
_Eu precisooooo...
_O que foi...?
        O rapaz ficou sem palavras quando observou um importante detalhe em cima da mesinha do computador de Sônia. Era alguns morangos. Morangos qualquer um pode comprar nos mercados, mas o que chamou a atenção de André foi à embalagem que tinha a logomarca do sitio onde ele morava. Pensou imediatamente André! Esta embalagem é nova ainda não está nos mercados...
_Amor você quer me dizer o que? Parece que viu um fantasma.
_Ah! Desculpa meu amor. O que eu tinha pra falar não é nada importante. È que hoje eu estou com uma dor de cabeça danada e preciso dormir mais cedo.
_Sim meu amor. Então vamos dormir.
_Certo minha linda. Eu te amo.
_também te amo meu lindo.
        André foi dormir com a cabeça fervendo em pensamentos. Tentava ligar Sônia a Sofia a sua professora. Altura batia e a cor pele também. No entanto o corpo e o rosto ele não conseguia fazer a comparação. Sempre contemplou a sua professora bem vestida e as vezes que a encontrou pelas ruas da cidade nunca prendeu os seus olhos em seu corpo. Na verdade Sofia era uma mulher reservada e muito discreta, nisso aumentava ainda mais a desconfiança do rapaz.
        Caindo a noite André seguiu para a escola com grande ansiedade, porque ainda tinha um importante detalhe que era preciso investigar. A tatuagem que era uma Flor de Cerejeira. Ele sabia bem o local. O difícil era como chegar a ver. Precisava ser de uma forma discreta, visto que se realmente Sofia fosse Sônia, ela sabia tudo sobre ele e no momento que ela percebesse a curiosidade do moço ela poderia fugir de cena na internet. Assim sendo qualquer tentativa do moço poderia ser considerada como loucura. André mais do nunca precisava manter a calma.
        Na escola ele sempre foi um rapaz dedicado aos estudos e como sempre se comportou muito bem. André na primeira oportunidade levantou-se e dirigiu a sua professora Sofia, e disse:
_Licença professora, preciso ir ao banheiro.
_Sim André.
        O rapaz passou meio metro dela e aproveitou a oportunidade o quanto pode, mas não conseguiu ver nada. Naquela noite mais uma olhada desse tipo seria muito arriscado. Portanto o melhor seria esperar o outro dia.
        Relacionamentos casuais e até exclusivos nas redes sociais exigem precaução por razões das intimidades sem contatos ao vivo. Nisso Sônia era bem esperta. Usava uma máscara, e provavelmente seu nome não era verdadeiro. Também não tinha dado detalhe algum de sua profissão e de onde morava. Tudo era com muito cuidado. Só não contava com a atenção dobrada em todos os sentidos de André desde a sua primeira descoberta com os morangos.
        André continuou com as brincadeiras proibidas, com as quentes conversas e masturbações online sem Sônia perceber as suas desconfianças. Ele tinha esperança que na hora certa iria descobrir tudo e de alguma forma teria aquela deusa ao vivo em seus braços...
        Ivo numa quinta feira foi à casa de André e numa das conversas sobre Sônia e Sofia, André contou sobre as suas desconfianças e seu amigo ouviu em silêncio e soltou quase que um grito usando uma interjeição de espanto.
_Caraca...
_Pois é Ivo estou sem mais detalhes das minhas desconfianças.
_André eu sei aonde você pode tirar essa dúvida. E já te adianto que Sofia tem uma tatuagem.
_Como você sabe disso?
_Eu freqüento às vezes o mesmo lugar que ela vai com algumas amigas da sociedade. Só não tenho certeza que tipo é à tatuagem. Não entendo nada disso.
_E você não sabe qual é o lado da tatuagem?
_Não tenho certeza, mas ela freqüenta o Country Club principalmente as sextas feiras no período da tarde. Vamos amanhã lá e você fica no restaurante.
_E o segurança Ivo? Ele não vai me deixar entrar.
_O segurança é meu amigo. Fique tranquilo.
_Bom, sendo assim amanhã estarei lá.
_Ok amigo. Estou indo, até amanhã.
        No outro dia depois do almoço André foi à cidade na esperança de resolver aquela agonia danada que tirava o seu sono. Como combinado com o seu amigo Ivo ele ficou no restaurante do Country Club e não demorou muito para Sofia aparecer. Linda, bela e sensual Sofia possuía a energia da sedução. André discretamente foi se aproximando sem ela ver. Até que pode contemplar nitidamente aquela bela deusa de biquíni que sabia por a sensualidade para fora, um verdadeiro presente aos seus olhos.
A tatuagem Flor de Cerejeira estava lá. Agora André não tinha mais dúvida! Sofia era realmente Sônia, a mesma mulher. A mente de André foi invadida por um turbilhão de pensamentos. Aquela flor agora simbolizava uma flor proibida e como lidar com isso. Ivo o seu amigo se aproximou e perguntou:
_André é ela mesmo?
_Não é Ivo. Eu me enganei. Mas obrigado por me ajudar ok.
        André tinha de ser discreto e como ele nunca foi tagarela, não era tão difícil adotar este comportamento. Talvez fosse até por isso que a sua professora o escolheu na internet para por pra fora os seus ocultos e proibidos desejos. O rapaz sabia ser também sociável mesmo não sendo destaque entre muitos. Agora mais do que nunca ele tinha que lutar contra ele mesmo, para não perder o que já havia conquistado. Se ele revelasse tudo a Sofia corria o risco de perdê-la completamente. Ela casada, ele com apenas dezessete anos e poderia vir à tona um grande escândalo. André teve que crescer e ser realmente um grande homem. Ser discreto é uma arte que todos deveriam aderi-la...
        Os encontros de André e Sônia na internet se tornaram cada vez mais frequentes e quentes. Ele fingia que não sabia nada daquela deusa e nunca abriu mão de tentar com sabedoria a aproximação. Suas investidas eram em vão, mas ele tinha esperança que uma hora daria certo. Nunca usou a chantagem. Se um dia tivesse de conquistar Sônia ao vivo, seria por seus próprios méritos...  (aguarde a continuação)


Francis Perot

Enviado por Perot Francis em 11/07/2015
Código do texto: T5307466
http://www.recantodasletras.com.br/contosdefantasia/5307466