terça-feira, 11 de setembro de 2012

PEREIRA BARRETO - POESIA


PEREIRA BARRETO


Pereira Barreto por dois decênios quando lá vivi
Esse pequeno poeta que em suas ruas, cresceu
Rio Tiete com suas águas cristalinas hoje a banhar
Elevados lugares que a molecada viviam a brincar
Imigram hoje no peito esses estros acrósticados
Rimas imperfeitas, porém de grandes saudades
Andam em mim tempo na escola sonhados...

Banham tal como nas cristalinas águas do Tiete
As lembranças que as águas um dia viram crescer
Remando por decênios nesse maravilhoso lugar
Ramos familiares meus que ai ainda vivem por lá
Eles sabem da saudade que o meu peito sente
Terras de lugares lindos, e de águas quentes  
0s encantados momentos esse peito não esquecerá...


Poeta Francis Perot