terça-feira, 10 de julho de 2012

MEU COBERTOR DE ORELHA



MEU COBERTOR DE ORELHA


Minha cama hoje não precisa de cobertor
Eu tenho uma orelha que é tal qual centelha
Um frio de lascar, mas na minha cama está o

Calor em forma de mulher, beleza e paixão.
O amor envolvente, ardente e muito tesão.
Bela tanto quanto a poesia do seu coração
Ela grita, geme, e me enlouquece de amor.
Rimando em seu corpo versos em chamas
Ter esse louco fogo assim em nossa cama
Ondas de calor que envolve quem se ama
Rendendo-me pra sempre a esse amor...

Demais da conta aquece-me meu cobertor
Em nosso quarto com muito gozo e prazer.

O aconchego dos teus abraços me aquece
Rendendo-me pra sempre ao teu regaço
Elegante, bela, carinhosa e ardente mulher.
Loucamente é assim que me embebeda
Hoje não sinto frio sou aquecido no teu
Amor, gozo e prazer meu doce cobertor...


Poeta Francis Perot

UMA FLOR QUE SENTE


Uma flor que sente


Sei o que é uma estrela
que entre as nuvens esconde.
Sei que é uma flor:
Que entre as flores passa.
Sei o que é uma pedra
Que entre as águas
dos rios se banham.
Sei quem sou
Sou poeta
Escrevo versos de uma flor
Cor morena e que sente dor
Quem ler os meus versos
Saberá que a flor sente calor
e morre de amor por mim...
Outros versos meus
falam de uma estrela
a qual fugiu do céu
para a terra
vive aqui entre nós
Foi plantada nas placas
de carne do meu coração.
Terra boa aonde
ninguém mete a mão
pois no meu coração mando eu
e os meus versos o seu perfume.
Sem pensar no que irão dizer
se sou louco
fraco,
ou doente
Pois falo do que
o coração sente
E que sentir
imaginar
e amar for loucura
e fraqueza doença
então os céus
tem que ser um hospital
Para tratar do mal
Que Deus chamou de amor...


Poeta Francis Perot