terça-feira, 4 de setembro de 2012

DIA DA INDEPENDENCIA DO BRASIL (ACRÓSTICO) FRANCIS PEROT


DIA DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL


Dependência e morte... O que é isso?
Independência ou morte... Foi assim o grito
A nação brasileira, meu Brasil está confusa...

Dai a Cesar o que é de Cezar...
Ao povo brasileiro o seu Brasil...

Independência e liberdade ao povo
Novo Brasil e Brasil novo. País de todos
Dia de paz e glória e brado retumbante
Esse povo varonil que não foge a luta
Pelas ruas de suas cidades e nos campos
Esperam ainda a tão sonhada liberdade.
Nossos bosques já não tem mais vida e
Deitados em berços esplendidos vendo o
Estrelados céus só os que por ouro a
Nação vendeu ao primeiro mundo.
Cada brasileiro já nasce escravo desse
Império moderno e nocivo de desigualdade
Arrastando-os a um profundo mar de sangue...

Desafiando o nosso peito a própria morte.
Ó liberdade, que em nossos seios dorme...

Brasil do futebol, do carnaval, dos políticos menos dos índios e dos pobres...
Retumba o brado do Ipiranga agora e devolva a paz, a alegria, a liberdade,
As terras que corruptos politiqueiros sem dó, o povo saquearam e roubaram.
Se o penhor dessa igualdade um dia não for a nossa conquista, só nos resta
Inflamados peitos a própria morte e o Brasil gigante dividido onde ficarás?
Liberdade se faz com justiça e não com força, mas se preciso for lutaremos...


Poeta Francis Perot
07 de setembro Dia da Independência do Brasil



2 comentários:

  1. O que disse é a mais pura vdd, tantos anos se passaram e continuamos dependentes.

    ResponderExcluir
  2. Oi Francis,
    Comemora-se a independência do Brasil num Brasil totalmente dependente das injustiças sociais,do roubo e de tantas outras coisas que o povo brasileiro tem que ver todos os dias.Irônico não,mas é isso aí que o nosso Brasil tem pra nos oferecer.
    Um ótimo final de semana,abraço,=)

    ResponderExcluir

Meus amigos e visitantes, obrigado pela visita, se quiserem comentar ficarei muito feliz em ler e visitarei também cada um de vocês!

O amor é o estado propenso,
a afetos duradouros
e responsáveis...
Disposição do espírito que
induz uma pessoa a outra,
a dedicar através
do sentimento, carinho


Francis Perot